Custom Pages
[vc_separator type='transparent' color='' thickness='' up='20' down='7']
Portfolio
[vc_separator type='transparent' color='' thickness='' up='20' down='7'] [vc_separator type="transparent" position="center" up="12" down="16"]
 
Custom Field

Lorem ipsum dolor sit amet

Date
Category
Business
About This Project

PORQUÊ UM BLOG

Esta ideia de criar um blog já é antiga. A verdade é que interiormente sempre arranjei desculpas para não o fazer, a maior delas a falta de tempo…

É precisamente aí que pego na ideia e desta vez é que é.

Há umas semanas a minha filha mais velha mostrou-me um documentário da Netflix (Nome) sobre o tema do plástico. Fiquei aterrorizada!!! Desde esse dia cada vez que olho à minha volta, não vejo outra coisa. Ok, já tinha visto as imagens dos oceanos, desde o início de 2019 que a fobia ao plástico aumentou, mas continuava na minha: eu faço reciclagem há muitos anos, por isso contribuo para um mundo melhor verdade? Não é bem assim; parte do plástico que colocamos no ecoponto vai parar ou a uma incineradora ou aos rios e oceanos com as consequências que todos conhecemos. Tenho vindo desde então a adoptar ainda mais conscientemente algumas medidas de redução. Tenho um longo caminho a percorrer.

Passo 1: o que fazer?

Constatei que as viagens ao Ecoponto (plástico) são feitas 4 a 5 vezes por semana, o meu objetivo é chegar ao fim de 2020 com apenas 1 viagem semanal.

A minha epopeia de redução começou há anos, mas ainda é manifestamente insuficiente; há anos que faço os meus detergentes ,  substituí caixas de plástico (tuperware) pelo vidro, há uns meses comprei escovas de dentes de bambu, aderi aos sacos de rede e algodão para frutas, legumes e frutos secos, acabei com o algodão desmaquilhante descartável e passei a usar tecido de algodão lavável. Ora estava eu convencida que tinha uma grande consciência ambiental, quando afinal nem por isso…

Não me vou tornar fundamentalista, até porque o plástico é necessário em muitos sectores da atividade, mas aos poucos ambiciono reduzir a pegada da minha família ao mínimo de desperdício.

Para que conste: em casa não tenho painéis solares, conduzo um carro a gasóleo o aquecimento provém de combustíveis fósseis… Ainda não vai ser em 2020 que a situação se vai alterar. O Zero waste é uma meta difícil.

Posto isto, o desafio é reduzir mensalmente pelo menos 1 coisa, quer seja comprar mercearias a granel, mudar para esponjas de limpeza biodegradáveis, aproveitar melhor as sobras de comida (deitamos muita coisa fora…), enfim, vai ser uma viagem longa, com pequenas conquistas diárias. É aqui que entra o Blog, para me obrigar a cumprir (como no filme Julie and Julia). No fim, o planeta agradece pois considero que a consciência deve partir de cada indivíduo, e as nossas ações têm consequências. A culpa não é dos outros.

A aventura começou dia 1 de Dezembro com a minha visita anual ao mercado de Natal do Campo Pequeno onde comprei uma Yogurtnest (uma bolsa onde passei a fazer iogurtes).