Custom Pages
[vc_separator type='transparent' color='' thickness='' up='20' down='7']
Portfolio
[vc_separator type='transparent' color='' thickness='' up='20' down='7'] [vc_separator type="transparent" position="center" up="12" down="16"]
 

Ficar em casa a Cuidar da Família

Pôr de Lado a vida profissional para cuidar da Família.

Está a pensar deixar de trabalhar ou abrandar o ritmo para  dedicar mais tempo à sua família?

Sente que os seus filhos estão a crescer e não os está a acompanhar como gostaria? Esta é a minha experiência.

Nos dias de hoje, uma mulher que opta por ficar em casa, nem sempre é bemvista, especialmente pelas outras mulheres. Para mim não foi uma decisão imediata, sempre trabalhei até a minha filha mais nova ter um ano de idade. Não fui educada para ser “dona de casa”, pelo contrário: a minha mãe desde cedo me educou, preparou e alertou para que tivesse sempre a minha independência económica. No entanto, acabou por ser uma decisão natural, tomada em conjunto com o meu marido. Na época, achámos que era o melhor para todos. E foi!

Ficar em casa: Vantagens

 

Pude acompanhar de perto o crescimento das minhas filhas, com tempo e disponibilidade para elas, e ainda tinha tempo para mim;

Não precisei de recorrer a ATL ou  extensão de horário escolar. Muitas vezes íamos um pouco até ao parque ou praia antes de ir para casa;

Elas puderam sempre escolher as atividades extra, e até hoje praticam desporto com regularidade. Foram ambas atletas de competição (especialmente a mais velha), e pude sempre acompanhá-las aos  aos treinos e provas;

Incentivei-as a estimular o lado criativo, e eu própria pude desenvolver o meu; aprendi a fazer muitas coisas para as quais nem imaginava ter jeito, como a costura  e muitos projetos DIY;

Pudemos ter um cão- a Maggie foi a primeira- veio cá para casa quando as minhas filhas eram muito pequenas e cresceu com elas. Não teria tido cães se trabalhasse a tempo inteiro;

Nas férias a minha casa transformava-se em campo de férias, tinha sempre no mínimo 4 crianças a meu cargo, e embora cansativo, era uma animação constante. Os miúdos divertiam-se muito cá em casa, como estavam de férias, os horários eram à medida deles, tudo muito descontraído;

Consegui acompanhar de perto o meu pai durante uma doença prolongada, o que seria muito difícil se trabalhasse;

O meu marido teve sempre uma atividade exigente em horários e viagens, por isso foi mais fácil  segurar as pontas quando ele não podia estar presente;

As minhas filhas cresceram com segurança, consegui proporcionar-lhes um ambiente estável, organizado e estruturado;

Ainda consegui estudar à noite, fiz uma pós graduação durante 2 anos, com muita ginástica por parte do meu marido, que tinha de ajustar as viagens ao meu horário.

ficar em casa: Desvantagens ou o Reverso da medalha

A sociedade nem sempre vê com bons olhos estas decisões,  ouve-se muitas vezes a frase: “não faz nada, está em casa” em relação às mulheres que optam por este caminho, várias pessoas me perguntaram  (nunca os amigos ), se não tinha intenções de voltar a trabalhar;

Durante anos achei que tinha de ser a Super Mulher,  o meu papel   era cuidar da casa e das crianças; a maioria das mulheres  faz tudo isso  e ainda trabalha fora de casa. Fiquei muitas vezes frustrada comigo mesma por não conseguir atingir objetivos traçados;

 Tomei a meu cargo muitas tarefas que de outra forma teriam forçosamente de ser repartidas;

Vivi em função dos horários das minhas filhas e tive sempre de ajustar os meus horários e tarefas aos delas;

Ao contrário do que a maioria das pessoas possa pensar, estar em casa não significa que tenhamos tempo para tudo, também é preciso planear e organizar o dia a dia, até porque as idas e vindas com os filhos -escola e actividades- consomem muito tempo;

A tecnologia avançou muito rapidamente, eu nem por isso;  só comecei a usar a sério o telefone quando retomei a atividade profissional. Até aí, ele apenas servia para telefonar, e esporadicamente enviar mensagens. Passavam-se semanas sem precisar sequer de abrir um computador….;

Havia dias em que não falava com ninguém a não ser com crianças. Percebi isso muito cedo e precisava do desafio intelectual,   li muito sobre vários assuntos, inclusivé sobre aqueles que à partida pouco ou nada me interessam.  Foi uma forma de me manter atualizada;

 

A PARTE FINANCEIRA

VIVER APENAS COM UM SALÁRIO: Embora financeiramente tenha sido possível viver só com um salário, foi necessário  contenção nas despesas, até porque a dada altura o país mergulhou numa crise profunda e todos sofremos com ela.

Ficando em casa poupa dinheiro em: atl, extensão de horários nas escolas e atividades nas férias; transporte para o emprego, alimentação fora de casa, vestuário (não precisa de comprar roupa para trabalhar). Ao ter mais tempo disponível, pode reduzir despesas diversas ao fazer em vez de comprar o produto/ serviço.

ficar em casa: o Balanço de 12 anos

Hoje em dia trabalho por conta própria, consigo fazer uma gestão de horários, o que acaba por ser muito importante para a família; embora as minhas filhas já não dependam dos meus serviços de “Uber mamã”, a flexibilidade de horários permite que almocem em casa todos os dias, continuo a manter certas rotinas que criei, como o exercício físico, os passeios matinais com o cão, ou caminhadas à beira mar. Quando começa o bom tempo  vou à praia sempre que posso, vou ao mercado todas as semanas, visito feiras e mercados de rua que felizmente proliferaram nos últimos anos;

O Balanço da decisão é francamente positivo, foi esta a forma de viver que escolhi; não é melhor nem pior do que qualquer outra, foi a que resultou para mim e para a minha família.

Relacionados:

PORQUÊ UM BLOG?

Se quiser partilhar a sua experiência, deixe o seu comentário ou questões.

No Comments

Post A Comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.